Início » Projetos de lei

Deputado quer proibir jogos eletrônicos que induzam ao cometimento de crimes

Omar Kaminski 19 de setembro de 2009

O deputado Carlos Bezerra (PMDB/MT) apresentou em 15 de setembro de 2009 projeto de lei com o objetivo de “tentar coibir a propagação de uma conduta que está a cada dia gerando mais danos nas sociedades contemporâneas: a difusão dos jogos eletrônicos que invadiram a sociedade e estimulam toda sorte de perversidade”.

O parlamentar usou como exemplo um obscuro jogo japonês chamado Rapelay, que simula cenas de estupro, aborto e violência sexual, e que acabou por resultar em um efeito contrário ao desejado: a atenção obtida foi diretamente proporcional à polêmica gerada, inclusive no Brasil.

Em outras palavras, muitos dos que nunca tinham ouvido falar nesse jogo saciaram a curiosidade por meio de download na internet, já que o jogo nunca foi oficialmente distribuído por aqui e ainda pode ser encontrado com relativa facilidade na rede.

Segundo explica em sua justificativa, “além de ter como foco a violência sexual, o jogo também choca ao mostrar casos de pedofilia, pois uma das vítimas usa uniforme de estudante e se dá em um quarto com ursos de pelúcia”.

Para ele “não se trata aqui de censurar conteúdos eróticos. Trata-se de coibir a prática virtual de atos considerados criminosos pela legislação brasileira, uma vez essa prática virtual induz à prática das ações na vida real”, citando reportagem d’O Estado de São Paulo de 6 de abril de 2009, que diz que no mundo dos jogos eletrônicos “aquilo que é horroroso se torna banal e até divertido”.

Em uma visão radical, boa parte dos videogames, ao menos aqueles destinados a adultos – para quem não sabe os jogos eletrônicos não são destinados tão somente a crianças e adolescentes – compreende situações potencialmente violentas, como simulações de guerra. Mas há também jogos de azar, corridas de carros e a possibilidade de pilotar aviões e naves espaciais, no exercício da criatividade e até como válvula de escape para o stress do dia-a-dia.

Mesmo assim o deputado acredita que se deve “reprimir e condenar os responsáveis pela propagação desses jogos, o país necessita de um tipo penal que criminalize o estímulo à prática de crimes virtuais”. Para ele, “produzir e comercializar jogos que premiam qualquer conduta delituosa tem de ser crime previsto em lei”, com pena proposta de reclusão de 1 a 3 anos e multa.

O outro lado da moeda

Segundo a Reuters, uma dupla de pesquisadores da universidade de Harvard, nos Estados Unidos, sustenta que jogar videogame não transforma as crianças em assassinos perigosos e sangrentos. Lawrence Kutner e Cheryl Olson, casal pesquisador na Harvard Medical School, detalham suas visões sobre a questão no livro “Grand Theft Childhood: The Surprising Truth About Violent Video Games and What Parents Can Do” (‘a surpreendente verdade sobre os games violentos e o que os pais podem fazer’), lançado no ano passado.

“O que espero que as pessoas percebam é que não há informações para sustentar os temores simplistas de que videogames causam violência”, disse Kutner. O casal chegou a essa conclusão depois de conduzir uma pesquisa de dois anos com mais de 1,2 mil estudantes do ensino médio sobre suas atitudes frente aos videogames.

Kutner e Olson apontaram que é preciso um estudo mais aprofundado porque os dados mostram apenas uma relação com a violência, sem estabelecer as causas. Não está claro se os jogos violentos levam à agressão ou se crianças agressivas são atraídas por jogos mais violentos.

Leia a íntegra:

PROJETO DE LEI Nº 6.042, DE 2009
(Do Sr. Carlos Bezerra)

Tipifica o crime de difusão de violência.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º. Esta Lei tipifica, no Código Penal, o crime de difusão de violência.

Art. 2º. O Decreto-lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940, passa a vigorar acrescido do seguinte art. 287-A:

Difusão de violência

Art. 287-A: Importar, fabricar, vender, expor à venda, transmitir, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio, jogos eletrônicos que induzam à prática de atos violentos ou ao cometimento de crime.

Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.”

Art. 3º. Esta lei entra em vigor na data da sua publicação.

Artigos Similares

Deixe seu comentário!

Por favor, mantenha o tópico em ordem. Spam não é permitido.

Você pode usar as seguintes tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>